sábado, 9 de dezembro de 2017

Apresentação do livro "Capelas de Alvarenga", da autoria de António Dias Madureira

Realizou-se hoje, dia 8 de Dezembro, no Salão Paroquial de Alvarenga, o lançamento e apresentação da obra "Capelas de Alvarenga", da autoria do Prof. António Dias Madureira.

Mesa da Sessão de Apresentação
Cortesia de Margarida Rocha
Dignaram-se marcar presença nesta sessão o Reverendo Abade de Alvarenga, a Excelentíssima Sra. Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Arouca, o Excelentíssimo Sr. Presidente da Junta de Freguesia e o Excelentíssimo Sr. Dr. Filomeno Silva, Presidente da Direcção da Associação de Defesa do Património Arouquense, que editou o livro.

Presidente da ADPA no uso da palavra
(Cortesia de Margarida Rocha)
Aspecto da plateia
(Cortesia de Roda Viva Jornal)
Sessão de autógrafos pelo autor
(Cortesia de Margarida Rocha)
O professor e investigador alvarenguense António Madureira, apresentou ontem (dia 8) o seu novo livro dedicado, mais uma vez à sua freguesia natal - "Capelas de Alvarenga".
Foram muitos os amigos e conterrâneos do autor que se associaram ao evento, marcando presença no lançamento da obra, que teve lugar no salão paroquial da freguesia.

"Na vida, todos transportamos o selo daquilo que somos, eu transporto a chancela imperecível de gostar da terra a que pertenço, e sempre que posso procuro evocar as memórias dos nossos avós", sublinhou Madureira no início da sua intervenção.
Sobre o livro, salientou, "neste pequeno trabalho que hoje apresento sobre as capelas da nossa paróquia, que são um património comum a todos e que todos devem preservar, procurei salientar a sua importância para a coesão social da paróquia e o seu inverso".
"Na abordagem deste trabalho, fi-lo essencialmente numa perspectiva social, porque as capelas fazem parte do universo religioso que é muito amplo e muito complexo. As capelas na sua pequenez física tocam em dois pontos muito sensíveis: a fé e as práticas religiosas", asseverou Madureira.
Terminou a sua intervenção, agradecendo a todos aqueles que o ajudaram na realização deste trabalho historiográfico.
O pároco da freguesia felicitou o autor "pelo trabalho realizado em prol da paróquia, das pessoas e dos nossos antepassados, mas sobretudo da vivência da fé das nossas famílias e da nossa comunidade". "Esta obra reflecte o espírito humano, cristão e religioso desta comunidade", referiu o clérigo.
O último discurso coube a Filomeno Silva, presidente da Associação de Defesa do Património Arouquense, editora da obra, que começou por destacar a forte ligação de António Madureira à sua freguesia de berço, "bem visível nas diversas obras já publicadas sobre Alvarenga".
"Com o presente estudo, o professor António Madureira dá um significativo contributo para um melhor conhecimento histórico das capelas e ermidas que compõem o espaço sacro da freguesia", aludiu Filomeno.
"São sobretudo as populações rurais que mantêm vivo o culto dos santos, mediante a adversidade de um mundo que privilegia o urbano ante o rural, com a consequente desertificação de muitos povoados", advertiu.
Sobre a temática do livro, Filomeno Silva recordou que "a capela ou santuário, consoante a sua dimensão, é um espaço sagrado a que afluem populações locais e das redondezas, graças ao protagonismo que o santo ou a santa de invocação ganhou, pelos milagres ou intercessões que concedeu aos seus devotos".
"Com este trabalho a freguesia de Alvarenga torna-se mais rica. As palavras leva-as o vento. Os escritos perduram para a eternidade", concluiu o presidente da ADPA.
No final da cerimónia de apresentação, António Madureira autografou muitos exemplares que o público presente adquiriu.
O livro com 137 páginas contou com o apoio da Junta de Freguesia de Alvarenga e da Paróquia de Santa Cruz de Alvarenga. 

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Manuel Sobrinho Simões agraciado com a Grã-Cruz da Ordem de Sant'Iago da Espada

No passado dia 5 de Dezembro, Sua Excelência o Senhor Presidente da República, Doutor Marcelo Rebelo de Sousa procedeu à imposição de várias condecorações, dentre as quais destacamos a Grã-Cruz da Ordem de Sant'Iago da Espada atribuída ao Excelentíssimo Doutor Manuel Sobrinho Simões, associado n.º 41 da ADPA.
Uma condecoração inteiramente merecida, que muito orgulha os arouquenses e, em particular, os associados e amigos da Associação de Defesa do Património Arouquense.






segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Lançamento do livro "Capelas de Alvarenga", de António Madureira

No próximo sábado, dia 8 de Dezembro, pelas 15h30, no Salão Paroquial de Alvarenga, realiza-se a apresentação e lançamento do último trabalho do Dr. António Madureira, epigrafado "Capelas de Alvarenga".


À semelhança dos anteriores trabalhos realizados pelo autor, a edição é da ADPA - Associação de Defesa do Património Arouquense e conta com o apoio da Junta de Freguesia e Paróquia de Santa Cruz de Alvarenga.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

António Brandão de Pinho traça o perfil biográfico e genealógico de Gentil Moreira de Sousa


Sendo ainda raras entre nós as biografias como formas literárias, o certo é que estas assumem cada vez mais destaque. Com efeito, não há duas vidas nem dois percursos de vida iguais. Algumas vidas e percursos são mesmo notáveis, com exemplos e particularidades dignas de destaque. Há circunstâncias de vida, estórias e memórias que devem ser perpetuadas e conhecidas pelas gerações contemporâneas e vindouras.
Por outro lado, suscita cada vez mais curiosidade o conhecimento da família para além da memória pessoal ou transmitida. Da família para além dos avós. Donde vieram? O que fizeram? Que nomes tiveram? Constituem perguntas, cujas respostas, ricas de dados e informação, preenchem as mais belas páginas da história de cada um.
Foi com estes propósitos que António Brandão de Pinho, presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação de Defesa do Património Arouquense traçou mais um perfil biográfico e genealógico. Desta feita, de Gentil Moreira de Sousa, empresário luso-brasileiro, natural de Arouca, agraciado com vários reconhecimentos e condecorações pelos Estados do Brasil e Portugal.
O trabalho em apreço, com cerca de 80 páginas, em formato A4, compreende aspectos da vida do biografado, mas também da história de Arouca ao tempo da sua meninice e juventude, que decorreu entre 1929, data em que nasceu, e 1951, data em que emigrou para o Brasil. O perfil genealógico dá a conhecer os seus ascendentes até 1650 e os registos de nascimento, casamento e passamento dos mesmos. O formato do trabalho é assim propositado a possibilitar a leitura dos mais antigos documentos, bem como a observar as diversas fotografias de família que ilustram o trabalho.

sábado, 26 de agosto de 2017

António Brandão de Pinho lança nova obra sobre a Ordem de Malta

António Brandão de Pinho, presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação de Defesa do Património Arouquense lançou uma nova obra sobre a Ordem de Malta, epigrafada "A Cruz da Ordem de Malta nos Brasões Autárquicos Portugueses".

Clicar sobre a imagem para comprar já o livro

A temática deste novo trabalho de António Brandão de Pinho volta a ser a história da Ordem de Malta e, nomeadamente, da presença desta antiga Ordem Religiosa e Militar em Portugal, onde deteve e administrou bens desde dos alvores da Nacionalidade até à extinção da Ordens Religiosas em 1834. Desta feita, no entanto, o autor faz um paralelismo da história da Ordem de Malta com a história de Portugal, perspectivando-a, depois, em cada uma das autarquias tratadas (mais de oitenta), à luz da leitura heráldica dos respectivos brasões. Trata-se, com efeito, de um trabalho sobre história e heráldica autárquica.

O livro, cuja apresentação e pré-lançamento, teve lugar em Rossas, no passado dia 11 de Agosto, e tem apresentação e lançamento no próximo dia 9 de Setembro, em Lisboa, tem prefácio do Senhor Conde de Albuquerque, Presidente do Conselho da Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana e Militar de Malta, e uma especial menção, em contra-capa, do Professor Doutor Pedro Soares Martinez, Catedrático Jubilado da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Como se trata de um trabalho com abrangência nacional, optou o autor por entregar a edição à Chiado Editora, que assegura a distribuição em todo o país e no Brasil.

Será ainda possível adquirir a obra em Bertrand, Fnac, Wook, Porto Editora, Publicações Europa-América, entre outras.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Sobre o estado em que se encontram os achados arqueológicos de Escariz

Aspecto da Mamoa 1 da Aliviada
Conta já alguns anos o acompanhamento e preocupação que António Brandão de Pinho, presidente da Mesa da Assembleia da Associação de Defesa do Património Arouquense, vem fazendo e manifestando relativamente ao lamentável estado de degradação e abandono em que se encontram os achados arqueológicos de Escariz.
Desta feita, é mesmo particularmente critico ao concluir e sugerir que: «Chegados aqui, volvidos precisamente 60 anos desde a data em que, nas férias da Páscoa, se trouxeram aqueles vestígios arqueológicos à luz do dia, sendo evidente a incapacidade da junta de freguesia, da câmara municipal, de alguma associação ou entidade para assegurar a preservação e salvaguarda daqueles bens, resta apenas apenas uma solução: referenciados que estão os locais e estudados os vestígios, enterrem-se os achados arqueológicos de Escariz!»
O artigo pode ser lido no blog pessoal (link) de António Brandão de Pinho.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

VOTO DE PESAR E CONDOLÊNCIAS

Em Sessão Ordinária da Assembleia Geral da ADPA – Associação da Defesa do Património Arouquense, realizada no passado dia 25 de Fevereiro de 2017, sob proposta da Direcção, foi aprovado pela unanimidade dos associados presentes um VOTO DE PESAR E CONDOLÊNCIAS pelo falecimento do associado n.º 50, Sr. Arqt.º Fernando Augusto Abrunhosa de Brito, residente na cidade do Porto.

Arouca, 26 de Fevereiro de 2017.

O presidente da Mesa da Assembleia Geral
António Jorge Brandão de Pinho